Produção de Plantas Aromáticas e Medicinais

As plantas aromáticas e medicinais cada vez têm chamado mais a atenção do mercado, essencialmente devido à valorização crescente da sociedade para os benefícios destas culturas e consequentemente o maior interesse de várias indústrias para a comercialização destas plantas, em diferentes formatos.

Para iniciar a produção é necessário, antes de mais, efetuar um levantamento preciso das poluições nas plantas e nos solos, realizar um inventário das plantas espontâneas e encomendar um estudo da qualidade dos solos. Saber com que equipa, material e edifícios/estruturas se dispõe no curto e médio prazo é também uma informação preciosa na instalação de um projeto de produção de plantas aromáticas e medicinais.

Para determinar o número de hectares consagrados à produção de plantas medicinais, temos que considerar a valorização do produto. Se a estratégia do produtor passa por transformar e valorizar toda a produção autonomamente, a instalação pode ser efetuada em áreas mais pequenas. Comumente, o produtor pode optar por três estratégias diferentes:

Colher e comercializar de forma autónoma; contratualizar com um projeto de desenvolvimento e acompanhamento técnico; ou passar diretamente à escala industrial.

Implementação do Projeto

Na implementação do projeto, existem vários aspetos a ter em conta, nomeadamente a área de produção e as características do solo, preferencialmente, para a produção de plantas aromáticas e medicinais, deverá ser uma terra argila-calcária. A certificação da área de produção pode ser também uma mais-valia, tornando maiores as margens comerciais e permite reduzir a concorrência direta.

Outro aspeto a reter aquando da implementação é ter já acordado e programado o escoamento para todas as qualidades (como por exemplo a produção de óleos essenciais para a valorização dos volumes menos qualitativos ou as plantas aromáticas e medicinais com menor qualidade podem servir para outros fins). Uma outra vantagem será constituir agrupamentos de produtores com interesses económicos comuns para a comercialização da produção junto dos grandes players do mercado.

Na produção de plantas aromáticas e medicinais, é muito importante a qualificação dos operadores, pelo que a aposta na formação pode ser um aspeto chave no sucesso do projeto. A mecanização desempenha um papel importante, quer na economia de tempo, quer na otimização da produção: quanto mais autónoma for a exploração, melhor será para o produtor. Sempre que possível, o produtor deverá possuir os seus próprios equipamentos.

Procura e Oportunidades Crescentes

Existe ainda muito espaço para a produção de plantas aromáticas e medicinais. Veja-se, a título de exemplo, o consumo crescente das tisanas: assistimos a uma tendência de ir para o que é natural e biológico. A produção é bastante fácil, tratam-se de plantas rusticas, que depois é necessário conseguir escoar no mercado, que pode ser feito sob diferentes formas, e existem numerosas saídas que ainda devem ser criadas.

As oportunidades existem, e são cada vez mais valorizadas as produções locais. Para permitir assegurar uma produção exclusivamente biológica de alta qualidade, constante e diversificada, os produtores portugueses devem criar, manter e ter acesso a informações específicas em termos de custos de produção, de técnicas culturais, de controlo dos devastadores, de secagem, de acondicionamento, de transformação, etc.

Por: Judith de Oliveira, Business Development na Naturimprove; tel: + 351 91 961 0770 | email: judithdeoliveira@gmail.com

0 visualização0 comentário

©2021 - Root. All Rights Reserved. Designed & Developed by Broono

  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn